logo
GALERIA DE ARTE OTO REIFSCHNEIDER | SERGIO RIZO
371
page-template-default,page,page-id-371,ajax_fade,page_not_loaded,,qode_grid_1300,side_area_uncovered_from_content,footer_responsive_adv,qode-content-sidebar-responsive,qode-child-theme-ver-1.0.0,qode-theme-ver-17.2,qode-theme-bridge,wpb-js-composer js-comp-ver-5.6,vc_responsive
 

SERGIO RIZO

Sergio Rizo (1955) é professor, pintor e desenhista. Nascido no Rio de Janeiro-RJ, mudou-se para Brasília-DF ainda criança com a família, onde se criou e teve seus primeiros contatos com as artes plásticas. Rizo tem formação acadêmica em Arquitetura e Urbanismo pela Universidade de Brasília (UnB), é mestre em pintura e desenho pelo Pratt Institute de Nova York e doutor em História também pela UnB. Coordenou o Núcleo de Anatomia Artística do Departamento de Artes Visuais e promoveu, junto à faculdade de Medicina, aulas de anatomia artística nos laboratórios de anatomia da Faculdade de Saúde, ambos na Universidade de Brasília. Atualmente, leciona na Faculdade de Arquitetura e Urbanismo.

O artista realizou diversas exposições em Brasília, Rio de Janeiro e Nova York, tendo obras em coleções particulares no Brasil, Estados Unidos e Europa. Suas obras estão divididas entre duas partes complementares, Arte e Anatomia. Rizo trabalhou por anos a fio tanto a abstração, quanto a figuração, transitando pelas duas áreas com naturalidade. Seus estudos anatômicos, com desenhos mais técnicos “como uma prática imprescindível na compreensão da forma do corpo humano”, remetem aos primórdios da academia grega, que buscou o naturalismo em suas obras, tendo como base modelos vivos.

Seus últimos trabalhos culminaram na Cidade dos Anjos, na qual o artista continua a usar a anatomia humana como base para o estudo de uma narrativa fantástica à parte, que figurou em sua tese de doutorado, além da construção de mecanismos de uma sociedade mitológica, onde há a presença de seres híbridos (influência de sua jornada profissional na medicina e veterinária) vivendo em comunidade de modo hierarquizado, utilizando-se de asas mecanizadas, já que haviam perdido as suas ao caírem de uma existência transcendente, “esses anjos somos nós, na constante busca de sentido para a nossa existência no mundo”.