logo
GALERIA DE ARTE OTO REIFSCHNEIDER | LUIS MATUTO
270
page-template-default,page,page-id-270,ajax_fade,page_not_loaded,,qode_grid_1300,side_area_uncovered_from_content,footer_responsive_adv,qode-content-sidebar-responsive,qode-child-theme-ver-1.0.0,qode-theme-ver-17.2,qode-theme-bridge,wpb-js-composer js-comp-ver-5.6,vc_responsive
 

LUIS MATUTO

Natural de Alfenas, Minas Gerais, Luis Matuto [1988] é formado em Design Gráfico pela UEMG e frequentou o Atelier de Gravura da UFMG. Como gravador, participou de exposições nacionais [Brasília, Belo Horizonte, Campos de Jordão, Olinda, São Paulo] e internacionais [Italia, Catar, San Marino], tendo editado mais de 100 obras, entre gravuras em metal, linóleos e xilogravuras. Ilustrou também mais de dez livros e executou diversos murais. Seus trabalhos como ilustrador e capista têm recebido amplo reconhecimento: teve, recentemente, obras selecionadas pela MTV, pela Bienal Brasileira de Design Gráfico e pelo Prêmio Jabuti.

 

Representado pela Galeria Oto Reifschneider desde 2013, Matuto tem seu interesse maior na xilogravura. Poucos gravadores de sua geração possuem a desenvoltura técnica e a expressividade de Matuto. Utiliza-se da técnica na execução de obras avulsas, assim como em trabalhos de caráter ilustrativo: livros, capas de discos e cartazes, como os executados para os 80 anos de Elomar Figueira Mello. Unindo os atributos de muralista, designer e performer, destacam-se seus trabalhos junto ao CCBB e sua participação na Residência Itatiaia, parcerias com a Galeria quartoamado e Instituto Amado, e a identidade desenvolvida para a Suíte Masai do rapper Flávio Renegado e Orquestra de Ouro Preto

Ao longo dos anos, fez incursões na cerâmica e no torno de madeira, com a feitura de seus Ybira Mitã – “Filho de Madeira” em tupi – inspirados nos peões de xadrez da marcenaria paterna. Seu último foco de interesse foi a tipografia manual, presente não apenas em seus trabalhos como designer, mas também em gravuras, cartazes e até mesmo performances, com o resgate de técnicas tradicionais. Matuto transita entre o popular e o erudito, entre o tradicional e o contemporâneo. Suas obras partem de seu universo íntimo, do lúdico e familiar, para então dialogar com o folclore nacional, com temas literários, com dramas da vida – com o que encanta e impele a criação.