logo
GALERIA DE ARTE OTO REIFSCHNEIDER | FERNANDO LOPES
357
page-template-default,page,page-id-357,ajax_fade,page_not_loaded,,qode_grid_1300,side_area_uncovered_from_content,footer_responsive_adv,qode-content-sidebar-responsive,qode-child-theme-ver-1.0.0,qode-theme-ver-17.2,qode-theme-bridge,wpb-js-composer js-comp-ver-5.6,vc_responsive
 

FERNANDO LOPES

Natural do Rio de Janeiro, é na capital federal que o artista Fernando Lopes constroi sua carreira e nome. Ilustrador com traço característico, seus desenhos fazem parte do cotidiano de Brasília há mais de 20 anos, tendo ilustrado quase que diariamente, matérias do principal periódico da cidade, o Correio Braziliense. Iniciou sua carreira artística jovem, aos 15 anos de idade, com uma exposição realizada no Chile impulsionada pelo criador da Biodança e poeta Rolando Toro. Suas ilustrações abordam principalmente a arte figurativa, com técnicas e linguagens diversas, frutos de sua versatilidade e extensa trajetória artística.

Fernando Lopes participou de diversos concursos e premiações, recebendo cinco Prêmios Jornalísticos Vladimir Herzog de Anistia e Direitos Humanos na categoria Ilustração, quatro menções honrosas no Salão Internacional de Desenho para a Imprensa de Porto Alegre e uma da ONU pela Ranan Lurie Political Cartoon Award. Recebeu também o primeiro lugar no I Festival Internacional de Humor no Rio de Janeiro, além de outros prêmios e participações no Brasil, Estados Unidos e Europa. Após sua primeira individual no Chile, o artista apresentou seus trabalhos em mais 10 exposições no Rio de Janeiro, Vitória e Brasília.

A trajetória profissional do artista não se dá apenas na área jornalística: ele inicia sua carreira na década de 1980 no Hospital Sarah Kubstchek, em Brasília, como desenhista do Laboratório de Anatomia Humana e no Departamento de Comunicação Visual. Fernando criou também diversos selos para a Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos, ilustrando a série em homenagem ao piloto de Fórmula 1 Ayrton Senna e edições comemorativas dos centenários de nascimento de Guimarães Rosa e Jorge Amado. Ilustrou também vários livros, principalmente da categoria infantil, tendo como destaque a ilustração do livro “O Equilibrista”, de Fernanda Lopes de Almeida e do livro “Como Nasceram as Estrelas”, de Clarice Lispector.

Suas ilustrações evidenciam uma capacidade de levar o observador a refletir sobre o tema exposto, trazendo à tona a atmosfera de assuntos ao mesmo tempo complexos e delicados, muitas vezes de forma impactante, provocando inquietação ao revelar as diversas facetas do ‘eu’ social. A contribuição de Fernando Lopes para a cultura e história de Brasília é inegável, povoando a imaginação de gerações.